Páginas

sexta-feira, 16 de setembro de 2005

Moral da História




Amigo que não serve, faca que não corta, que se perca, pouco importa.

Quem com os porcos convive, um dia virá a comer lama.

Gato escaldado tem medo de água fria.

Quem ri por último, ri melhor.

Em boca fechada não entra mosca.

O fim de uma história depende sempre de quem a conta.

Será?

Provérbios são pequenas frases usadas pelo povo com a intenção de expressar verdades, conselhos de vida,
lições de moral. Conhecidos humoristas modificaram alguns provérbios:

"Se não puder vencer o inimigo, corra.

Quem ama o feio... namora em casa!

Quem com ferro fere, vai preso!

Quando um não quer, o outro insiste!"

O Grande Livro de Pensamentos de Casseta
e Planeta.Rio de Janeiro. Record,l995.

"Quem semeia vento, não colhe nada.

Devagar se vai a pé.

De médico, poeta e louco, todos nós temos algum na família.

Dono morto, burro solto."

Improvérbios. Jô Soares, em Veja, 1990.

"Só quem tem calos entende de apertos.

Não há banquete, por mais rico, em que alguém não jante mal.

Ladrão que não é apontado já é um tantinho honrado."

Provérbios Proverbiais. Millôr Fernandes, em Isto É Senhor, 1990.

Todas as línguas têm seus provérbios:

Agora é sua vez.
Seja criativo.

9 comentários:

  1. Oi Fátima!!!
    Querida, desculpe a demora em voltar ao seu cantinho...
    Fiquei uns dias off, mas agora estou colocando as coisas em ordem por aqui rs, visitando os amigos, retribuindo o carinho, enfim.
    Eu havia deixado meu e-mail por aqui. Não viu?
    Mas agora tenho o seu também rs...
    Enviarei depois um e-mail explicativo, sobre colocar midi no blog, ok?
    Bom, quanto aos provérbios, eu adoro! Especialmente quando vemos a criatividade, brincando com as palavras rs...
    Eu tô mais pra esse aqui ó:

    "Quem ri por último é retardado" rsrs

    Beijos, bom final de semana!
    Fique com Deus e em PAZ...

    ResponderExcluir
  2. O provérbio mais adequado para o meu irmão que caiu de moto na semana passada é "o rato tanto vai ao ninho que um dia deixa o focinho". Essa é do tempo da avó da minha avó.
    Há uma muito boa: "Em casa de ferreiro, espeto de pau".
    São tantas, mas a memória está me traindo...

    http://tubaranhao.blig.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá Fátima, bom dia!!!
    Enviei pra ti o e-mail explicando sobre a colocação de midi no Blog.
    Qualquer coisa, fique à vontade para me escrever, ok?
    Beijos, boa semana pra você!!!

    www.navegar.blig.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu não entendi bem o que você quis dizer a respeito do meu comentário abaixo. Pra desfazer mal-entendidos, reescreverei:

    Dando minhas dicas de provérbio, o mais adequado para o meu irmão que caiu de moto na semana passada é "o rato tanto vai ao ninho que um dia deixa o focinho". Esse provérbio que citei é do tempo da avó da minha avó.
    Há um outro muito bom: "Em casa de ferreiro, espeto de pau".
    São tantos os provérbios, mas a memória está me traindo no momento.

    http://tubaranhao.blig.com.br

    ResponderExcluir
  5. Você disse que não sabe colocar links de amigos no Blogspot. Bem, você terá que entender de html, senão fica difícil. Tentei achar um manual na Internet. Final de semana eu verei só posso ajudá-la.

    ResponderExcluir
  6. Ri bastante com seu post... num momento como esse a gente tem é que rir mesmo!
    [ ]"s

    ResponderExcluir
  7. Meu conterrâneo Raul Seixas dizia que "Ri melhor quem ri mais alto" e eu sempre achei interessante o jeito que um amigo sorria, ela dava uma gargalhada ensurdecedora, mesmo que depois virássemos o jogo contra ele, ele sempre dizia: "Agora é tarde, ninguém nem lembra mais daquilo..."
    http://oladraodepalavras.blig.ig.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Fatima, muito obrigada pela visita.
    Sabe nas derrotas ,sabemos exatamente quem são os nossos amigos.
    O seu blog é ótimo.

    ResponderExcluir
  9. Gilda Castilho Pires21 de março de 2011 20:00

    Puxa vida, agora fiquei triste pois me lembrava vagamente da história da cigarra e da formiga.
    Contei pra minha neta uma versão diferente onde a formiga era muito boa, convidou a cigarra a entrar e se aquecer, passaram o inverno juntas, a cigarra retribui cuidando da casa e no próximo verão trabalharam juntas para fazer uma casa pra cigarra e armazenaram a comida. Toda noite a cigarra cantava para distrair as formigas. E FIM
    Obs: depois desta história sempre q. minha neta escuta o canto da cigarra vem correndo me chamar com os olhinhos brilhando...

    ResponderExcluir