Páginas

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Com a palavra, Ricardo Azevedo



Nunca imaginei que aquele autor cujas histórias eu contava e recontava poderia responder ao meu e-mail e, ainda mais, me enviar um de seus inúmeros livros. Quanta gentileza e humildade, atitudes raras nos dias de hoje!

Os contos, adivinhas, quadrinhas eram recontados e ilustrados com graça e sensibilidade pelo mestre Ricardo Azevedo em seus livros Meu Livro de Folclore e Armazém do Folclore, Ed. Ática.

 Contos de tradição oral sempre me atraíram. As compras na Bienal e Salão do Livro eram esperadas com ansiedade. Mostrava, orgulhosa, os títulos adquiridos e ouvia: "Mais folclore, menina?" Os livros já não cabiam na caixa "Histórias de Trancoso". Fazer o quê se está no sangue a vontade de ouvir, ler e contar histórias? Coisas do meu avô João, um mulato sergipano, nascido antes da libertação oficial, fazendeiro, salineiro, canoeiro, festeiro, contador de histórias e leitor. Deslumbrada, pedia sempre para mamãe repetir um conto de enganar a morte que está no livro do Ricardo com o mesmo título; claro que  muito mais bem contado por quem respira poesia ao reescrever antigas histórias.

Pois é, venci a timidez e escrevi contando sobre os meus subprojetos, fios da grande Teia de Histórias pela conquista de leitores e contadores: um de resgate da tão desvalorizada literatura oral e outro que procura aproximar o leitor de escritores e ilustradores através da leitura das obras e biografia. Falei também dos ouvidos atentos, dos olhares embevecidos, das palmas e do "conta mais uma!" Só não pude ainda mostrar as xilogravuras improvisadas com material de sucata.

Deleitem-se com Contos de bichos do mato. O livro tem 24 narrativas contadas e recontadas pelo povo "acostumado a lutar contra todas as adversidades usando ardis, malandragens e espertezas para sobreviver. Para entendê-las, é necessário lembrar que não é possível exigir que a moral de uma sociedade justa e equilibrada seja a mesma de uma sociedade desigual onde cada um luta por si para vencer a fome, a tirania, a crueldade".




Seria interessante que lessem também No meio de uma noite escura tem um pé de maravilha!:contos folclóricos de amor e aventura  (Ática), e ainda Contos de espanto e alumbramento (Scipione), todos com ilustrações do autor.







Conheçam o saboroso site do Ricardo Azevedo. É para ser apreciado sem pressa. Degustem entrevistas e matérias publicadas, trechos de livros, sinopses, artigos, ilustrações e muito mais. Sinta o cheiro de maçã! Imagine. Crie. Conte muitas histórias.Alumbre-se!

Recomendo para mediadores e professores a leitura dos seguintes artigos:

Conto popular, literatura e formação de leitores;

Formação de leitores, cultura popular e contexto brasileiro;

Literatura infantil: origens, visões da infância e certos traços populares;

Elos entre a cultura popular e a literatura.

Ah, não poderia deixar de lembrar que a sabedoria do povo está presente também nas quadrinhas poéticas. Fiquem com esta:
Não é por andar com livros

que a gente vira doutor

as traças vivem com eles

não sabem lê não senhor.

3 comentários:

  1. eu aaxo Otimo essa hisorias de trancoso kkkk♥

    ResponderExcluir
  2. maria terezinha de souza31 de agosto de 2011 18:39

    esses contos de bichos são demais, tive a opotunidade de ouvir alguns pelos contadores de história, na escola onde trabalho. Conheço alguns de seus trabalhos sou sua fâ.Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. UQaTNs It`s really useful! Looking through the Internet you can mostly observe watered down information, something like bla bla bla, but not here to my deep surprise. It makes me happy..!!

    ResponderExcluir